Início Mundo 2017 foi um “pesadelo” para crianças mundo afora, diz Unicef

2017 foi um “pesadelo” para crianças mundo afora, diz Unicef

11

Neste ano, 185 crianças foram usadas em ataques suicidas pelo grupo terrorista Boko Haram, enquanto quase 400 mil correm o risco de morrer por fome no Iêmen

 Elas foram mortas, estupradas, usadas como escudo-humano, recrutadas como soldados, casaram contra a vontade e escravizadas. Em 2017, cravou a Unicef, braço da Organização Mundial das Nações Unidas para a infância, os ataques contra crianças em diferentes partes do mundo atingiram níveis chocantes.

O retrato da infância, especialmente em países que vivem conflitos armados ou turbulências políticas, é sombrio. Por onde quer que se olhe, mostrou um levantamento produzido pela Unicef, governos e atores que participam dessas instabilidades agem contra a legislação internacional que deveria proteger os mais vulneráveis.

Na República Democrática do Congo, 850 mil crianças foram forçadas a deixar seus lares e mais de 400 escolas foram atacadas por insurgentes. Já na Nigéria e em Camarões, o grupo terrorista Boko Haram usou ao menos 185 crianças em ataques suicidas, enquanto no Sudão do Sul, cerca de 20 mil delas foram recrutadas como soldados.

Da África para a Ásia, ao menos 700 crianças foram mortas em ataques nos primeiros meses do ano no Afeganistão, país retaliado por disputas territoriais entre governo e Talibã e que ainda sofre com a consolidação de grupos terroristas, como o Estado Islâmico. Em Mianmar, o deslocamento forçado em razão de ataques das forças armadas do país é a realidade de milhares de crianças da minoria rohingya.

No Iêmen, a situação da população como um todo se tornou ainda mais delicada em 2017. Arrasado por uma guerra civil que parece não ter fim, o país registrou 5 mil crianças mortas ou feridas em razão dos conflitos e ao menos 11 milhões precisam de ajuda humanitária. 1,8 milhão de crianças sofrem pela má nutrição e quase 400 mil correm o risco de morrer por fome.

Mas as atrocidades cometidas contra crianças não são reservadas apenas para países pobres e turbulentos e foram registradas também na Europa, especialmente na Ucrânia. Segundo a Unicef, 200 mil crianças do leste do país vivem sob a ameaça de explosivos na região onde os conflitos com separatistas pró-Rússia são mais intensos.

“Os ataques continuam todos os anos, mas não podemos nos tornar imunes a eles. A brutalidade não pode ser o novo normal”, disse Manuel Fontaine, diretor do programa de emergências da entidade. “Não há mais espaços seguros para essas crianças, uma vez que viraram alvos em escolas, lares e até playgrounds”, continuou.

Da Exame

Comentários

comentários

Carregar mais em Mundo

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

Escola Adelino Chuba é arrombada e furtada duas vezes em apenas uma semana

A Escola Adelino Chuba  de Presidente Epitácio, estava sem o zelador patrimonial C riminos…