Início Brasil Em 20 dias, mortes pelo vírus da gripe quase dobram em São Paulo

Em 20 dias, mortes pelo vírus da gripe quase dobram em São Paulo

15
No ano, já foram 11 óbitos em 65 casos graves registrados; diretora de imunização afirma que não há razão para alarme

 O número de mortes pelo vírus influenza, causador da gripe, quase dobrou em 20 dias no Estado de São Paulo, conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde. Desde o início de 2018 e até o dia 22 de março, tinham sido registrados 42 casos graves da doença e seis óbitos. Nesta terça-feira, 10, o número de casos graves tinha subido para 65, mas o de mortes chegou a 11. Os casos relacionados ao vírus A (H3N2) passaram de 14, com um óbito, para 19, com três mortes. Em todo o ano de 2017, foram 1.021 casos e 200 óbitos, cerca da metade relacionados ao H3N2 – 562 casos e 99 mortes.

Nesta terça-feira, a Vigilância Epidemiológica de Taubaté, no interior, confirmou a gripe como causa da morte de dois jovens – um rapaz de 19 anos e uma jovem de 20, mortos em março. A cidade já havia registrado outras duas mortes, neste ano, pela doença. As vítimas foram um bebê de 3 meses e uma idosa de 70 anos. Há ainda um óbito em investigação.

Em Rio Claro, um casal morreu neste fim de semana com sintomas da gripe. A Vigilância Epidemiológica aguarda o resultado dos exames para confirmar a doença e o tipo do vírus. Outras duas pessoas estão internadas com sintomas.

 

A diretora de imunização da pasta estadual, Helena Sato, disse que não há razão para alarme, pois a circulação do vírus no Estado está sendo monitorada e controlada com vacinação. No próximo dia 23, São Paulo entra na 20ª Campanha Nacional de Vacinação Contra o Vírus Influenza, programada pelo Ministério da Saúde.

O público-alvo, estimado em 12 milhões de pessoas, receberá a vacina trivalente, que imuniza contra os vírus H1N1, H3N2 e o tipo B. A vacinação segue até 1º de julho e terá o Dia D em 12 de maio.

Conforme Helena, são prioridade grupos mais suscetíveis, como crianças entre 6 meses e 5 anos, idosos, grávidas, puérperas, portadores de doenças crônicas, profissionais da saúde, professores e detentos.

Do Estadão Conetúdo

Comentários

comentários

Carregar mais em Brasil

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

Comerciante reage a assalto, tira arma de bandido, mata um e fere outro

Ele conseguiu tirar a arma de sua cabeça e atingiu os dois suspeitos; as vítimas não ficar…