Início Destaque Endividamento e déficit no Orçamento expõem o Brasil

Endividamento e déficit no Orçamento expõem o Brasil

19
O país nunca foi tão pouco dependente de fluxos de capital externo – tem um déficit em conta-corrente de apenas 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto)

A explosão do endividamento bruto do governo e o rombo das contas públicas colocam o Brasil no mesmo time de outros países emergentes muito mais vulneráveis às turbulências globais recentes. O país nunca foi tão pouco dependente de fluxos de capital externo – tem um déficit em conta-corrente de apenas 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto), e uma grande parcela das contas externas é financiada por investimentos estrangeiros diretos, pouco voláteis.

A Argentina e a Turquia, ao contrário, ultrapassam o nível considerado seguro para esse déficit, de 4% do PIB. Além disso, enquanto o Brasil tem um gordo colchão de reservas, de US$ 382 bilhões, a Argentina tem apenas US$ 51,9 bilhões e teve de recorrer a um pacote de US$ 50 bilhões do FMI (Fundo Monetário Internacional), assinado na semana passada.

No entanto, no atual ambiente de aversão a risco, muitos investidores não estão diferenciando o Brasil de outros emergentes mais frágeis e levaram o dólar a bater em R$ 3,968 na semana passada.

 

Com a perspectiva de o dólar se manter forte e os juros americanos subirem, aliada a tensões causadas pelo protecionismo e alta do petróleo, houve uma redução da liquidez global e os investidores ficaram mais seletivos.

Há três meses, o dólar estava em R$ 3,20: os investidores não pareciam se incomodar tanto com a alta da dívida bruta do governo brasileiro -de 56% do PIB em 2014 para 74% (nas contas do BC, para o FMI, são 87,3%).

Agora que o humor global azedou, o endividamento e o déficit do Orçamento, em 7% do PIB, passaram a ser examinados com lupa. “Fomos pegos na mudança de fase global com várias más notícias domésticas”, diz Tony Volpon, economista-chefe do UBS. “Quando o ambiente externo está positivo, há um desconto para fatores domésticos de vulnerabilidade. Quando está negativo, esses fatores são amplificados.”

Além disso, explica Fernando Honorato Barbosa, economista-chefe do Bradesco, o Brasil é um mercado muito mais líquido do que outros emergentes, então, quando há um aperto nas condições externas, é mais fácil vender os ativos brasileiros do que os de outros mercados menores.

Concursos: 8 órgãos abrem inscrições para 2,1 mil vagas nesta segunda

Outro motivo para o real ser relativamente mais afetado é a redução na remuneração a investidores estrangeiros – com os juros brasileiros em 6,5%, a diferença entre as taxas do Brasil e do resto do mundo nunca foi tão baixa.

No ano, o peso da Argentina acumula queda de 26,9%, e a lira turca, de 15,31%. O real vem logo depois, com 10,8% de desvalorização. A rupia indiana teve recuo de 5,39%, o rand sul-africano caiu 5,35%, e a rupia da Indonésia, 2,78%.

Todos esses países, menos o Brasil e a África do Sul, elevaram os juros nos últimos dias, e crescem as pressões para que o Banco Central aumente as taxas para conter a desvalorização do real, hipótese já rejeitada pelo presidente da instituição, Ilan Goldfajn.

Ilan já deixou claro que não pretende usar a política monetária para controlar o câmbio. “A Argentina e a Turquia fizeram um choque de juros porque precisavam atrair o investidor estrangeiro e a inflação deles estava muito acima da meta. No Brasil, a inflação está bem abaixo da meta e não precisamos aumentar os atrativos para investidores estrangeiros”, diz Barbosa.

“É um contrassenso elevar juros sem inflação e sem vulnerabilidade externa. O BC pode continuar a usar os swaps e, eventualmente, as reservas.” Para Carlos Kawall, economista-chefe do Banco Safra, não faz o menor sentido falar em aumento de juros no Brasil neste momento.

“Primeiro, porque o objetivo da política monetária do BC é manter a inflação dentro da meta e deixar as expectativas ancoradas. Não temos regime de meta de câmbio, nem copiamos a política monetária do país A, B ou C”, diz.

O Safra reduziu a previsão de crescimento do PIB neste ano de 2,8% para 2%, diante da recuperação mais lenta da economia, principalmente do mercado de trabalho. A grande ociosidade reduz a probabilidade de a alta do câmbio contaminar a inflação.

Kawall continua prevendo inflação abaixo da meta neste ano, sem alta de juros. “Comparar o Brasil com esses países é comparar laranja com banana”, diz o economista.

A Argentina estava com juro real em quase zero, por causa da inflação alta, e a Turquia tem grande exposição a dívidas em moeda estrangeira. A dívida externa bruta brasileira é de cerca de 25% do PIB e o país não tem dívida interna indexada ao dólar, ao contrário da Argentina. Com informações da Folhapress.

Comentários

comentários

Carregar mais em Destaque

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

Uso de imunoterapia contra câncer avança, apesar de custos e limitações

Um das ressalvas é que o método ainda se mostra eficaz só para cerca de 20% dos pacientes …