Início Brasil Prefeitura consegue na Justiça desapropriação de área onde funcionava frigorífico do JBS

Prefeitura consegue na Justiça desapropriação de área onde funcionava frigorífico do JBS

1,768
Situação ocorrida em Cassilândia remete ao caso da Usina Aurora em Anaurilândia e da Minerva Foods em Batayporã

S egundo reportagem publicada recentemente pelo Campo Grande News, a Prefeitura de Cassilândia conseguiu na Justiça a desapropriação do prédio onde funcionava a unidade do Frigorífico JBS na cidade, de portas fechadas desde março deste ano. A ação movida contra a empresa Forte S/A Empreendimentos e Participações, atual detentora do endereço, cobrava a desocupação do local por entender que a unidade é de “utilidade pública e interesse social”, ou seja, que fosse desapropriada para que outro frigorífico se estabeleça na fábrica e volte a gerar empregos.

O caso lembra situações ocorridas na região de Nova Andradina. Em Anaurilândia, por exemplo, a Prefeitura Municipal deu início ao processo judicial para que 100 alqueires, o que equivale a 300 hectares, às margens da MS-276, doados à Unisa Aurora Açúcar e Álcool LTDA, que encerrou suas atividades há cerca de um ano, voltem ao domínio do município. O Nova News apurou que um termo de reversão que consta na lei 515/2009, que autorizou a doação, permite a retomada da área caso os empreendedores não cumpram determinadas exigências, como a geração de empregos, por exemplo.

Em Batayporã, recentemente, através de nota, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal informou que, caso a planta frigorífica onde a Minerva Foods atuava e que está fechada desde 2015 não seja reativada, o município deverá tomar as devidas providências legais no sentido de rever a doação da área, realizada em 1989 para empreendedores da região. Neste caso, o terreno voltaria ao poder da municipalidade.

O terreno foi doado por meio da lei 116/89, de 28 de julho de 1989, com o único propósito de gerar empregos para a população de Batayporã. O Nova News teve acesso ao documento de doação, onde consta no Artigo 4º que a empresa “Frigorífico Maringá S/A”, que mais tarde, segundo a Lei 125/90, de 04 de abril de 1990, passaria a ser denominada de “Frigorífico Batayporã S/A – Friporã”, deveria cumprir a proposta de intenções, contribuindo com o desenvolvimento de Batayporã por meio da execução de suas atividades.

Com relação à situação de Batayporã, conforme o Artigo 6º da 116/89, de 28 de julho de 1989, “não cumpridas as exigências constantes da presente lei, os imóveis doados retornarão ao domínio do município”. Através de nota a Agência Ideal, que faz assessoria de imprensa para a Minerva, reafirma que o grupo “não tem planos de voltar a operar em Batayporã”.

Cassilândia

De volta ao caso de Cassilândia, conforme a ação, a unidade gerava mais 600 empregos diretos e cerca três mil, indiretamente. A capacidade de abate diário no frigorifico, era de 500 a 600 bovinos. Contudo, a Prefeitura de Cassilândia depositou indenização de R$ 320 mil pela desapropriação, referente aos valores das escrituras de venda e compra e também pelo laudo oficial de avaliação da Comissão de Avaliação de Imóveis Urbanos e Rurais de Cassilândia, que fará levantamento de sobre equipamento e móveis, presentes na unidade. Por fim, a juiza Flávia Simone Cavalcante, da 2ª Vara de Justiça de Cassilândia, concedeu a desapropriação, nesta segunda-feira (14), mas a Forte ainda pode tentar recorrer da liminar.

JBS

Em nota, a JBS esclareceu que o processo judicial não foi ajuizado contra a Companhia e também que o contrato de arrendamento da planta de Cassilândia (MS), já se encontra finalizado. O encerramento das operações da JBS na unidade se deu em decorrência da determinação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Fusão e Paralisão

Em 2014, o próprio Cade aprovou o Ato de Concentração (fusão de empresas) entre JBS, Rodopa, além da Forte Empreendimentos e Participações. Na ocasião, a JBS locou três unidades de abate e desossa, a de Cassilândia e outras duas no interior de São Paulo e de Goiás, conforme informou o Cade.

O conselho condicionou a concentração das empresas ao cumprimento de algumas obrigações, como manutenção nas unidades de níveis médios de abates de bovinos pelo período de três anos. O que não foi cumprido, segundo o Cade.

O órgão então reviu a operação, em outubro de 2016, aplicou multa sobre a JBS e a Rodopa, por descumprimento dos termos do Ato de Concentração, no valor de R$ 200 mil cada. Em 2017, após essa decisão, as empresas comunicaram a rescisão imediata do contrato de arrendamento.

A rescisão não seguiu, por conta dos padrões estabelecidos pelo Cade, então as empresas foram multadas novamente. Desta vez, a JBS recebeu multa de R$ 40 milhões; e Rodopa e Forte, em 1,6 R$ milhão, solidariamente. Contudo, o endividamento levou a unidade a ser fechada em meados de 20 de março, deste ano. (Com informações do Campo Grande News).

Comentários

comentários

Carregar mais em Brasil

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

CCZ registra 7 casos de leishmaniose em humanos na cidade de Presidente Epitácio

Órgão diz que falta de cuidado da população é um dos motivos; Saúde municipal, no entanto,…