Início Cidade Repasses irregulares e nepotismo motivam ação contra ex-prefeito de Presidente Epitácio

Repasses irregulares e nepotismo motivam ação contra ex-prefeito de Presidente Epitácio

917
Filho de José Furlan foi contratado por conveniado

 

O ex-prefeito de Presidente Epitácio José Antonio Furlan, seu filho Bruno José Furlan e o ex-presidente do Centro Social São Pedro Carlos Roberto Martins, além da própria entidade, são alvos de uma ação civil pública por improbidade administrativa ajuizada nesta quinta-feira (7/12) pelo promotor de Justiça Rafael Bertucci Lopes. O caso envolve repasses financeiros irregulares feitos pela prefeitura do município ao Centro Social São Pedro e também nepotismo.

A petição inicial cita dois inquéritos que apuraram que, entre 2005 e 2012, José Furlan, então ocupante do cargo de prefeito, pagou grandes somas ao Centro Social São Pedro, indo de 2,7 milhões a 3,8 milhões de reais por ano. Contudo, o Tribunal de Contas (TCE), ao analisar a prestação de contas de 2007, encontrou diversas irregularidades nos repasses, entre elas a ausência de prévia aprovação do Plano de Trabalho, a falta de justificativa por parte da administração municipal para firmar o convênio e a ausência da emissão de prévia nota de empenho vinculada ao mesmo acordo. Irregularidades foram também detectadas pelo TCE durante as análises das contas de 2010.

Apesar disso e mesmo diante de diversas advertências feitas pelo TCE, as violações aos princípios da administração pública na relação entre a prefeitura e o Centro Social São Pedro atingiram seu ápice entre 2011 e 2012. À época, o médico Bruno José Furlan, filho do então prefeito, foi contratado pelo centro social para o cargo de clínico-geral, num flagrante caso de nepotismo.

Diante do apurado, a Promotoria pediu que a Justiça declare nulo e ilegal o contrato entre Bruno José Furlan e o Centro Social São Pedro e que todos os requeridos sejam condenados à perda da função pública (caso possua), suspensão dos direitos políticos por cinco anos, pagamento de multa civil, e proibição de contratar com o poder público ou receber dele benefícios pelo prazo de três anos.

Núcleo de Comunicação Social

 

Comentários

comentários

Carregar mais em Cidade

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

A suposta imagem que circula sobre o ataque de piranhas em Epitácio é de 2016

Para esclarecimentos sobre o possível ataque de piranhas no parque o Figueiral, uma imagem…