Os pesquisadores acreditam que a descoberta pode ajudar a compreender melhor as complicações da doença, de forma a criar tratamentos mais eficazes

Um novo estudo, realizado por uma equipe de cientistas do Instituto Salk, nos Estados Unidos, e publicado na últuma sexta-feira no jornal científico Circulation Research, afirma que a Covid-19, apesar de ter sido inicialmente considerada uma doença respiratória, é, na verdade, uma doença vascular. Os investigadores acreditam que a descoberta pode ajudar a compreender melhor as complicações da doença, de forma a criar tratamentos mais eficazes.

 

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores procuraram saber como a proteína spike do vírus contribui para danificar células endoteliais vasculares. Para isso, criaram um vírus semelhante ao SARS-CoV-2, com uma coroa de proteínas spike, usada no processo de entrada nas células.

Depois de terem sido feitos testes com animais, verificou-se que este ‘pseudovírus’ (como descreve a revista Galileu), causou danos em pulmões e artérias, provando que a proteína spike trabalha sozinha para adoecer o organismo. Amostras de tecido verificaram inflamação nas células endoteliais da artéria pulmonar.

Em seguida, os cientistas repetiram o processo em laboratório. Colocaram, mais uma vez, as células endoteliais das artérias do pulmão em contato com a proteína spike. Acontece que outra proteína, ACE2, se liga à spike como um recetor. Esta ligação entre as duas proteínas interrompe a sinalização molecular que a ACE2 faz para as mitocôndrias, organelas responsáveis por gerar energia. Como explica a Galileu, as mitocôndrias das nossas células são danificadas e a pessoa adoece.

“Isto poderia explicar porque é que algumas pessoas têm derrames e outras têm problemas em outras partes do corpo. A semelhança entre os casos é que todos têm bases vasculares”, afirma um dos autores do estudo, Uri Manor, do Instituto Salk.

Notícias ao Minuto

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Tecnologia
.