Os jatos de combate de quinta geração são considerados os caças mais avançados do mundo; exercício militar pode ser visto como demonstração de força

A Força Aérea dos Estados Unidos enviará cerca de 24 caças stealth F-22 para um exercício no oeste do Pacífico ainda neste mês. O exercício é um desdobramento incomumente grande de poderosos jatos que, segundo analistas, envia uma mensagem forte a um possível adversário na China.

As Forças Aéreas do Pacífico no Havaí disseram esta semana que aproximadamente 25 F-22s Raptors da Guarda Aérea Nacional do Havaí e da Base Conjunta Elmendorf-Richardson, no Alasca, serão enviados este mês para as ilhas de Guam e Tinian para a Operação Pacific Iron 2021.

“Nunca tivemos tantos Raptors juntos nas operações das Forças Aéreas do Pacífico”, disse o general Ken Wilsbach, comandante das Forças Aéreas do Pacífico, à CNN.

Os F-22 são jatos de combate de quinta geração, os caças mais avançados do mundo, incorporando tecnologias stealth e conectando sistemas de sensores a bordo com sistemas de informação externos para dar aos pilotos uma visão detalhada do espaço de batalha. Já os F-35s americanos são um outro exemplo.

A implantação de um grande número de F-22s para o exercício envia uma mensagem imediata à China em um momento em que as relações são tensas em relação aos pontos críticos do Pacífico, como Taiwan e o Mar da China Meridional, disse Carl Schuster, analista de defesa do Havaí e ex-diretor da operações no Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA. Os lançamentos normais do F-22 consistem em seis a 12 aeronaves, disse ele.

“A Força Aérea do Pacífico está demonstrando que pode implantar nas operações tantos ou mais aviões de quinta geração no curto prazo do que (a China) tem atualmente em todo o seu estoque”, disse ele.

Qual o tamanho da Força Aérea da China

A Força Aérea chinesa tem cerca de 20 a 24 caças operacionais de quinta geração, disse Schuster, mas ele observou que as capacidades de Pequim estão melhorando em um ritmo rápido.

A Força Aérea dos Estados Unidos tem cerca de 180 F-22 em sua frota, embora apenas cerca de metade sejam capazes de missão a qualquer momento devido a requisitos de manutenção, de acordo com estatísticas da Força Aérea. Portanto, os Estados Unidos enviarão cerca de 25% dos F-22s da missão para o exercício Pacific Iron.

Devido à sua capacidade de escapar da detecção de radar, espera-se que os F-22s estejam entre as primeiras armas usadas em qualquer conflito, com a tarefa de destruir as defesas aéreas do adversário, entre outras missões.

“Os EUA estão praticando ativamente os desdobramentos que farão se houver uma grande crise ou guerra. Os EUA estão levando a China muito a sério e estão desenvolvendo sua postura de força e treinando suas forças para serem capazes de se posicionar rapidamente”, disse Peter Layton, um ex-oficial da força aérea australiana, que atualmente é analista do Griffith Asia Institute.

Para a Operação Pacific Iron, dez caças F-15 Strike Eagle da Base Aérea Mountain Home, em Idaho, e dois aviões de transporte Hercules C-130J da Base Aérea de Yokota, no Japão, se juntarão aos F-22 para preencher a frota aérea. A Força ainda convocou a operação Agile Combat Employment, também conhecida como operação de dispersão de combate, de acordo com um comunicado das Forças Aéreas do Pacífico.

Dois F-22 Raptors
Dois F-22 Raptors da Força Aérea dos EUA sobrevoam o Alasca em 2016
Foto: Força Aérea dos EUA

O exercício apóia a Estratégia de Defesa Nacional de 2018, “que conclama os militares a serem uma força mais letal, adaptativa e resiliente”, disse o comunicado.

Agile Combat Employment e Pacific Iron

O Agile Combat Employment é projetado para espalhar os aviões de combate dos EUA e outros recursos de guerra entre os campos de aviação em toda a região para aumentar sua capacidade de sobrevivência de ataques de mísseis inimigos.

Por exemplo, muito do poder aéreo de combate dos Estados Unidos no Pacífico ocidental está concentrado em grandes instalações militares como a Base Aérea de Kadena, em Okinawa, ou a Base Aérea de Andersen, em Guam. Um ataque nessas bases poderia prejudicar a capacidade das Forças Armadas dos Estados Unidos de contra-atacar um adversário se muito poder aéreo americano estivesse concentrado ali.

No Pacific Iron, as forças praticarão em campos de aviação menores e menos desenvolvidos, como o Aeroporto Internacional de Tinian nas Ilhas Mariana do Norte, o Aeroporto Internacional de Won Pat, em Guam, ou o Campo Noroeste, uma faixa remota separada das pistas principais da Base Aérea de Andersen. As lições aprendidas no exercício podem ser aplicadas à operação de aeroportos menores em ilhas ao redor do Pacífico ocidental.

Isso aumentaria o número de alvos que os mísseis inimigos precisariam destruir e daria ao poder aéreo dos EUA uma chance melhor de ser capaz de contra-atacar.

Crescimento da China

Um relatório de 2019 do think tank RAND Corp, financiado pelos militares dos EUA, mostra como o conceito foi concebido para combater o crescimento das capacidades chinesas.

O Exército de Libertação do Povo da China “possui uma quantidade e qualidade crescentes de mísseis balísticos e de cruzeiro de precisão de longo alcance que podem ameaçar alvos importantes em bases aéreas”, diz o relatório.

“Distribuir aeronaves em mais locais melhora a capacidade de sobrevivência; um adversário deve disparar mais mísseis para obter o mesmo efeito”, diz. “Demonstrar a capacidade de combate ágil da Força Aérea dos EUA envia um forte sinal de dissuasão à China e tranquiliza os aliados e parceiros (dos EUA)”, disse Schuster. “A China tentará acompanhá-lo de perto”, disse ele.

Dificuldades da operação

Layton, o analista australiano, disse que usar o F-22 apresenta algum grau de dificuldade para a Força Aérea dos Estados Unidos.

“O F-22 é uma das aeronaves mais difíceis para este tipo de exercício de implantação em termos de missão e suporte de manutenção. Se você pode fazer isso com o F-22, fazê-lo com qualquer outra aeronave de combate tática dos EUA deve ser simples”, relata Layton.

Wilsbach, o comandante das Forças Aéreas do Pacífico, chamou o Pacific Iron de “um dos desdobramentos mais complexos que já organizamos.”

“Podemos mover forças e capacidades ao redor do globo à vontade, mas é o que eles fazem quando reunimos essas capacidades que mais importa”, disse o general. Um exercício bem-sucedido teria valor de dissuasão para a China, disse Layton.

“Embora este seja um exercício, as mesmas técnicas, processos e procedimentos seriam cruciais nas operações do Japão ou de qualquer outro lugar. Para planejadores militares chineses, isso poderia sugerir que tais exercícios poderiam ser implantados em qualquer lugar na China”, disse Layton.

A Força Aérea usou o Campo Noroeste de Guam para praticar operações Agile Combat Employment em fevereiro, reabastecendo os caças F-35 e F-16 que não puderam retornar às suas bases em uma situação de combate simulada.

O sargento Todd Johnson, da área de Tecnologia da Força Aérea, afirmou que participou do exercício de fevereiro, e usou uma analogia com os esportes para descrever o conceito.

“Pense nisso como um pit stop na Nascar. Se você tiver uma equipe bem treinada e organizada, um jato poderá pousar, fazer uma verificação de segurança, ser reabastecido e estar pronto para voltar ao céu em apenas alguns minutos, “, disse ele em um comunicado de imprensa da Força Aérea sobre esse exercício.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Por CNN Brasil

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Mundo
.