Um incêndio em um hospital particular no Rio de Janeiro causou 11 mortes e deixou o local parcialmente destruído. O fogo teve início por volta das 18h30 de quinta-feira (12) e demorou um pouco mais de três horas para ser totalmente controlado.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a suspeita é que um curto-circuito em um gerador tenha causado as primeiras chamas, que se espalharam pela unidade de saúde. O hospital contava com 103 pessoas internadas e 224 funcionários trabalhando no momento do incêndio.

As 11 vítimas eram pacientes – todos morreram asfixiados pela fumaça causada pelo fogo, e não por queimaduras. Às 7h, os bombeiros disseram ter encerrado as buscas por mortos, que agora passam por identificação. Dois já tiveram os nomes divulgados:

  1. Irene Freiras de Brito, 84 anos;
  2. Luzia dos Santos Melo, 88 anos.

Os outros internados resgatados chegaram a ficar em ruas próximas, onde ficaram em macas. Eles foram transferidos para outras unidades médicas da cidade – o Hospital Badim, onde ocorreu a tragédia, fica no bairro do Maracanã, muito próximo ao estádio, na zona norte do Rio.

Durante o combate às chamas, a Light (responsável pela distribuição de energia elétrica da capital fluminense) desligou a luz na região para facilitar o trabalho de resgate. Vizinhos ao hospital precisaram deixar suas casas por risco de desabamento das paredes.

Tem parente no hospital?

O Hospital Badim pede para que parentes com pacientes que estavam em atendimento ou internados na unidade quando o incêndio teve início entrem em contato para informações sobre o estado de saúde e local para onde os sobreviventes foram encaminhados. É possível enviar um e-mail para suportefamiliares@badim.com.br ou enviar mensagem no WhatsApp pelo telefone (21) 97101-3961.

Por Metro

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Brasil
.