Início Destaque PIB reage e cresce 0,8% no terceiro trimestre

PIB reage e cresce 0,8% no terceiro trimestre

13
Em valores correntes o PIB alcançou no período R$ 1,716 trilhão.

A economia brasileira cresceu 0,8% no terceiro trimestre, em relação aos três meses anteriores, informou nesta sexta-feira (30) o IBGE. Em valores correntes o PIB alcançou no período R$ 1,716 trilhão.

É a maior taxa nessa comparação desde o primeiro trimestre de 2017, quando o PIB cresceu 1,1% em relação ao trimestre anterior. Considerando apenas os terceiros trimestres é o melhor resultado desde o terceiro trimestre de 2012.

Houve melhora no ritmo de recuperação da atividade, mas muito ligada à fraca base de comparação do segundo trimestre.

O resultado veio igual ao esperado pela maior parte dos analistas do mercado financeiro consultados pela agência Bloomberg. A percepção, segundo o Instituto Fiscal Independente, do Senado, é que a recuperação segue em ritmo moderado.

A agropecuária teve crescimento de 0,7%, e a indústria, 0,4%. Os serviços cresceram 0,5% e, segundo o IBGE, puxaram o PIB.

“Apesar de a agropecuária ter apresentado o maior crescimento, foram os serviços que mais influenciaram a taxa, já que são o setor de maior peso no PIB”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

O destaque ficou com transporte, armazenagem e correio, que cresceram 2,6%. “Esse crescimento tem a ver com a greve dos caminhoneiros, um efeito de compensação após a paralisação ocorrida no segundo tri”, disse a pesquisadora. Ela destacou o crescimento do comércio, alinhado ao aumento do consumo das famílias.

Na agropecuária, o destaque foi de café e algodão, que tiveram ganho de produtividade. Por outro lado, cana-de-açúcar, mandioca, laranja e milho tiveram desempenho fraco.

Na indústria o destaque foi para indústrias de transformação, com alta de 0,8%. As indústrias extrativas e a construção subiram 0,7%.

COMPARAÇÃO ANUAL

Em relação ao terceiro trimestre de 2017, quando o país deixava a recessão para trás, a alta do PIB foi de 1,3%. Esse resultado, porém, ficou abaixo do esperado por analistas que, segundo a Bloomberg, previam alta de 1,6% nessa base de comparação.

Sobre o mesmo período do ano passado, a agropecuária subiu 2,5%, puxada pelo crescimento e ganho de produtividade do café (26,6%) e algodão herbáceo (28,4%). A indústria teve alta de 0,8%, com destaque para a indústria de transformação (1,6%), cujo desempenho foi favorecido pelo aumento da fabricação de veículos, entre outros.

Ainda nessa base de comparação, os serviços cresceram 1,2%.

NO ANO

No acumulado em 2018, a economia cresceu 1,1%, segundo o IBGE. Indústria (0,9%) e serviços (1,4%) cresceram, enquanto a agropecuária caiu 0,3%.

No acumulado dos quatro trimestres encerrados em setembro, a alta do PIB é de 1,4%

A previsão do governo é que a economia brasileira termine o ano com uma expansão de 1,4%, em linha com o que esperam economistas do mercado.

No início do ano, antes da paralisação dos caminhoneiros, ocorrida em maio, os economistas previam que o crescimento poderia encostar nos 3%.

O IBGE revisou para baixo o resultado do PIB no segundo trimestre em relação a igual trimestre do ano anterior. Em vez de uma alta de 1%, em relação ao primeiro trimestre, o PIB cresceu 0,9%. No primeiro trimestre, nada mudou (alta de 1,2%).

Com relação ao trimestre imediatamente anterior, o segundo trimestre trimestre não mudou (alta de 0,2%) e o primeiro trimestre saiu de uma alta de 0,1% para alta de 0,2%.

As revisões ocorrem porque mais dados chegam ao IBGE, que vai calibrando as informações. Com informações da Folhapress.

Comentários

comentários

Carregar mais em Destaque

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

Preparem-se: verão terá temperaturas acima da média no Brasil

Média é de 31,5°C no trimestre dezembro, janeiro, fevereiro. El Niño ainda deve levar à oc…