Início Brasil Polícia do Rio cumpre mandados de prisão no caso Marielle Franco

Polícia do Rio cumpre mandados de prisão no caso Marielle Franco

19
Agentes estão em 15 endereços espalhados pelo Rio de Janeiro e em Juiz de Fora

A Polícia Civil cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão nesta quinta-feira (13) ligados às mortes da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes, há nove meses sem solução. Agentes da Divisão de Homicídios estão atrás de 15 endereços, segundo a TV Globo.

A assessoria da Polícia Civil disse que ainda não tem a confirmação da ação e que aguarda um posicionamento da delegacia. Procurado, o delegado Giniton Lages, que comanda as investigações, também não respondeu.

Segundo a reportagem, os policiais estão em 15 endereços espalhados pelos estados do Rio e de Minas Gerais: na zona oeste do Rio, em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), Angra dos Reis (sul do estado), Petrópolis (região serrana) e Juiz de Fora (MG).

Os mandados fariam parte de um outro inquérito -o do caso Marielle ainda não foi concluído-, mas teriam ligação com os assassinatos, que ocorreram em 14 de março no centro da capital e completam nove meses nesta sexta-feira (14).

Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março. Desde então, autoridades declararam que o caso estava perto do fim ao menos cinco vezes, mas poucas informações concretas foram divulgadas. O que as provas indicam até agora é que foi um crime calculado e sofisticado.

A principal linha de investigação continua apontando para o vereador Marcello Siciliano (PHS) como mandante do crime por supostas desavenças com Marielle na zona oeste do Rio, o que ele nega desde o início. Há outras linhas, porém, segundo inquérito de milhares de páginas obtidas pela TV Globo e ainda não concluído.

O secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, chegou a dizer em entrevista à Globonews que “não é um crime de ódio”, que “a milícia, com toda certeza, se não estava no mando do crime em si, está na execução” e que “provavelmente” há políticos envolvidos.Já o delegado responsável pela apuração, Giniton Lages, se limitou a responder à reportagem que a equipe “está convicta de que o sigilo é medida fundamental e inafastável para o sucesso das investigações”.

Notícias ao Minuto

Comentários

comentários

Carregar mais em Brasil

Deixe um resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

Quer mais? Veja isso.

Sirene dispara em Barão de Cocais e risco em barragem chega ao nível pré-rompimento

Alarme foi soado na Mina de Gongo Soco, indicando ameaça de colapso iminente. Área abaixo …