Ao menos 13 mil pessoas morreram por complicações da Covid-19 em todo o mundo; mais de 307 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus.

Ao menos 13 mil pessoas morreram por complicações da Covid-19 em todo o mundo. Um levantamento da universidade norte-americana Johns Hopkins apontou que na manhã de domingo (22), mais de 307 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus.

A maior parte das mortes mundiais está concentrada na Itália, são mais de 4,8 mil até o momento. O país registrou no sábado um aumento de quase 800 mortes em apenas um dia. A Itália tem mais de 53,5 mil infectados pelo vírus, atrás apenas da China, que desde o início do surto, em dezembro de 2019, acumulou mais de 81 mil casos de Covid-19.

As autoridades de saúde da China divulgaram neste domingo que 46 novos casos de coronavírus foram registrados no país. Do total, apenas um foi provocado por transmissão local. Foi o quarto dia consecutivo com aumento dos casos importados do exterior.

O número de infectados nos Estados Unidos segue crescendo. De acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, são 26.747 pessoas contaminadas com o novo coronavírus. Os estados mais afetados são os de Washington e Nova York. O país chegou a ficar na frente da Espanha em número de pessoas afetadas, mas voltou a ocupar o quarto lugar.

O governo brasileiro vai restringir a entrada de estrangeiros em voos internacionais no país, mas a medida não se aplica aos Estados Unidos. A restrição passa a valer a partir desta segunda-feira.

Tensão na Espanha

A Espanha teve um aumento de 30% no número de mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. Foram registradas novas 399 mortes. Ao todo, são 1.725 mortes. O número de contaminados também subiu, mantando o país como o terceiro mais atingido no mundo, atrás de China e Itália. São 28.572 infectados (3.646 deles nas últimas horas). O governo já anunciou que o período de estado de emergência será estendido por mais 15 dias.

Pelo mundo

Chefe de emergências da Organização Mundial de Saúde, Mike Ryan disse, em entrevista à BBC, que só restringir a circulação de pessoas não será suficiente para combater o novo coronavírus. É preciso identificar os doentes, assegurando o devido atendimento médico. Além do isolamento de quem tem o vírus, é preciso monitorar quem teve contato com tais pessoas. O medo de Ryan é de um aumento da doença quando as medidas restritivas forem suspensas.

O Ministério da Saúde da Colômbia confirmou a primeira morte pelo novo coronavírus no país. A vítima era um homem de 58 anos que trabalhava como taxista na cidade turística de Cartagena das Índias e apresentava problemas anteriores de saúde.

A Romênia registrou a primeira morte no país provocada pelo novo coronavírus. A vítima era um homem de 67 anos que tratava um câncer em estado terminal.

Militares russos vão enviar ajuda médica para a Itália a partir desde domingo, de acordo com o Ministério de Defesa de Moscou. O presidente Vladimir Putin conversou com o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e ofereceu veículos de desinfecção para as ruas e especialistas para as áreas mais afetadas da Itália.

O governo alemão está considerando um bloqueio nacional para combater o novo coronavírus. As autoridades já pediram para que as fábricas de carro nacionais considerem produzir equipamentos médicos, como máscaras, para ajudar o sistema de saúde a ser abastecido durante a pandemia. O número de casos aumentou 1.948 nas últimas 24 horas, pulando para 18.610, de acordo com o Instituto Robert Koch. O número de mortes passou de oito para 55 na Alemanha.

No Brasil

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até 7h40 deste domingo, 1.197 casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil em 26 estados e no Distrito Federal. São 18 mortes no Brasil, três no Rio de Janeiro e 15 em São Paulo.

Por G1

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Mundo
.