A ‘atrocidade’ que o politicamente correto pode causar em um dos maiores esportivos da história

Nos últimos anos, a pressão para o desenvolvimento de tecnologias elétricas para automóveis vem crescendo. O intuito é diminuir ao máximo a emissão de CO² e o gasto com combustíveis fósseis. Com isso, cada vez mais as montadoras apresentam modelos eletrificados.

Mas parece que o “politicamente correto” foi longe demais e entrou em uma área que, até então, parecia intocável, os de esportivos V8. Até existem modelos eletrificados com apelo esportivo, mas criados a partir do zero, como o Porsche Taycan. O que não é o caso do mais novo conceito da Ford, o Mustang Lithium.

Interior com detalhes azulados para remeter a motorização elétrica.

O protótipo, como o nome indica, não utiliza um motor a combustão, mas sim um movido a baterias de litium. Que, segundo a marca, tem uma potência impressionante de 900 cavalos e 138,2kgfm de torque. O que não adianta de nada se não é acompanhado com o arrepiante ronco de um V8.

Desenvolvido em parceria com a Webasto, o Mustang Lithium não é apenas, segundo as empresas, um protótipo único para mostrar a eletrificação no esportivo mais vendido do mundo, mas também uma plataforma de teste para tecnologias de bateria e gerenciamento térmico que as marcas estão criando para o crescente segmento de mobilidade elétrica.

Motor elétrico gera um mega-watt de energia.

Para tentar desviar o foco para o fato de a marca está “matando” o muscle car, a Ford alega que ele é um besta eletrificada baixa e elegante. A carroceria é feita com componentes em fibra de carbono.

Segundo a americana, sob o capô existe uma verdadeira usina de força alimentada por um sistema de baterias de 800 volts e capaz de descarregar um mega-watt de energia elétrica. O que seria, de acordo com as empresas, um dos propulsores elétricos mais poderosos do mundo.

Visual é idêntico ao do muscle car de verdade.

Tentando amenizar o fato de que o modelo não tem a pegada de um V8 vibrante, o Lithium utiliza — de forma impressionante e rara de se ver — uma transmissão manual MT82 de seis velocidades.

Além disso, os semi-eixos Ford Performance e o diferencial Super 8.8 Torsen ajudam a fornecer energia às rodas que calçam pneus Michelin Pilot Sport 4S. Os freios dianteiros da Brembo de seis pistões são os mesmos do Shelby GT350R.

Diário do Poder

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Tecnologia
.