Em bilhete deixado pelo homem, estava escrito: foi pela pessoa que tanto amo, mas não foi correspondido por isso que eu vou, mas ela vai junto. 

 

Â. M. J. é mais uma vítima de feminicídio em Mato Grosso do Sul. Ela foi assassinada com dois tiros no peito e o suspeito é o ex-namorado, C. R. F. de 59 anos, que atirou na própria cabeça. Ele não morreu, foi socorrido e está internado no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas, distante 338 quilômetros de Campo Grande.
O crime aconteceu na noite de sexta-feira (29), por volta de 23h40, segundo o boletim de ocorrência, na rua Generoso Siqueira, em frente a um hotel. Ângela era diretora da Escola Estadual Bom Jesus.
No local, a Polícia Civil encontrou uma testemunha que estava com Ângela antes do crime, em um baile de terceira idade. O homem relatou que a vítima pediu para levá-la para casa, momento que Carlos teria dito que levaria Ângela. Ela teria se recusado a ir, quando o suspeito teria sacado a arma de fogo e disparado duas vezes no peito de Ângela. Em seguida, ele atirou contra a própria cabeça. A testemunha contou à polícia que Carlos tinha um relacionamento com a diretora.
Segundo informações do site Perfil News, Carlos era ex-namorado da diretora e a encontrou no baile, dançando com outra pessoa. Ele teria ficado com ciúmes, abordado a mulher, mas ela saiu da festa e foi seguida pela suspeito. Na rua, ele atirou em Ângela e na própria cabeça. Os filhos de Ângela e Carlos presenciaram o crime.
O suspeito foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhado ao hospital. Médico do Samu constatou a morte da diretora no local.
A perícia foi acionada e apreendeu o revólver marca Taurus calibre 32, que estava municiado com cinco cartuchos sendo três deflagrados e dois intactos.
Ainda segundo o boletim de ocorrência, populares apontaram um veículo Fiat Pálio de cor branca estacionado próximo ao lugar do crime, como sendo do suspeito.
O carro estava aberto e com a chave na ignição. A polícia encontrou uma carteira com os documentos pessoais de Carlos, a quantia de R$ 306,00 e um bilhete escrito por ele, com a confissão do crime. No bilhete estava escrito: foi pela pessoa que tanto amo, mas não foi correspondido por isso que eu vou, mas ela vai junto.
Após a conclusão da perícia, a polícia foi até o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, e encontrou Carlos internado e consciente. Ele está sob escolta policial.
Fonte: Midiamax
Por: Renata Volpe

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Brasil
.