A Organização Mundial da Saúde está alertando que a pandemia Covid-19 entrou nos “estágios iniciais de uma terceira onda”, já que a variante Delta do vírus, que se espalha rapidamente, faz com que os casos aumentem, eliminando o progresso feito com as vacinas.
O número global de infecções aumentou por quatro semanas consecutivas com a variante Delta agora presente em 111 países, e as mortes estão aumentando novamente após 10 semanas consecutivas de declínio, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na quarta-feira. Falando ao Comitê de Emergência da OMS sobre Covid-19, ele disse que a variante Delta está sendo alimentada pela crescente mistura social e uso inconsistente de medidas de saúde pública.

O vírus já matou mais de quatro milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a OMS, e Ghebreyesus vê a variante Delta se tornando a cepa dominante em todo o mundo, se é que já não é. A Rússia relatou um recorde de 786 mortes por Covid-19 na quarta-feira, e as novas infecções no Reino Unido estão em um recorde de seis meses. Na Indonésia, onde as taxas de casos aumentaram quase sete vezes no mês passado, os residentes estão supostamente ajudando os coveiros a acompanhar as quase 1.000 mortes diárias.

“À medida que as taxas de vacinação crescentes na Europa e na América do Norte começaram a surtir efeito, vimos declínios sustentados nos casos e mortes”, disse Ghebreyesus. “Infelizmente, essas tendências agora se inverteram e estamos nos estágios iniciais de uma terceira onda.”

Ghebreyesus lamentou que a falta de acesso às vacinas deixou a maior parte da população mundial suscetível à infecção e “à mercê do vírus”. Embora alguns países com amplo estoque de vacinas tenham suspendido as restrições de distanciamento social e reaberto suas sociedades, muitos países não receberam nenhuma vacina de Covid-19, acrescentou. A maioria não tem o suficiente.

“Continuamos a ver uma disparidade chocante na distribuição global de vacinas e acesso desigual a ferramentas que salvam vidas”, disse Ghebreyesus. “Essa desigualdade criou uma pandemia de duas vias.”

A escala da iniciativa de distribuição da vacina COVAX permanece muito pequena, com pouco mais de 100 milhões de doses enviadas, disse Ghebreyesus. Para cumprir a meta da OMS de vacinar pelo menos 10% da população de todos os países até setembro, 40% até o final de 2021 e 70% até meados de 2022, o mundo precisará de 11 bilhões de doses. Os países do G7 se comprometeram a doar um bilhão de doses combinadas no próximo ano, mas o chefe da OMS disse que “é preciso muito mais, muito mais rápido”.

Ghebreyesus disse a repórteres no início desta semana que é perigoso para os países ricos pensar que a Covid-19 não é mais problema deles, já que alcançam altas taxas de vacinação, dizendo que essa miopia prolongará “o drama dos reféns pelo vírus”.

Por RT

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Mundo
.