Veja como pessoas com a pele mais sensível, como idosos e crianças, devem se prevenir do ressecamento das mãos

O álcool em gel a 70% tem sido um aliado nas medidas de prevenção do coronavírus. Não há dúvidas de que ele é extremamente eficiente na higienização das mãos. Entretanto, seu uso excessivo, isto é, acima de seis vezes por dia, pode causar ressecamento e rachaduras na pele.

O dermatologista Franklin Veríssimo explica que isso acontece porque a substância em excesso destrói as camadas de proteção da pele, desidratando-a. Esse ressecamento pode causar dermatites e ferimentos. Mas é possível amenizar esses efeitos ou até mesmo preveni-los. Veja como!
Como evitar o ressecamento das mãos?
Os especialistas indicam que a preferência sempre deve ser por lavar as mãos com água e sabonete, principalmente se a pessoa estiver em casa. “O uso com frequência de álcool em gel nas mãos deve ser apenas quando não se tem acesso para um local de lavá-las”, afirma o dermatologista Paulo Criado, Coordenador do Departamento de Medicina Interna da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
Quando usar álcool em gel, aguarde até as mãos secarem completamente e em seguida aplique um hidratante específico para esta área. “O hidratante ajuda a manter íntegra a camada mais superficial da pele, a camada córnea, diminuindo significativamente a ocorrência de rachaduras e dermatites”, ressalta a dermatologista Fabiana Seidl.
No caso de quem tem a pele mais sensível, o dermatologista Paulo Criado indica usar um hidratante que não tenha perfume, conservante e corante para não causar ainda mais sensibilidade alérgica.
Pessoas com pele sensível: O que fazer?
Idosos e crianças são exemplos de pessoas que têm a pele mais fina e sensível. Neste caso, até a lavagem da mão com frequência pode ser um problema, imagine o álcool em gel excessivo.
Pensando em amenizar este problema, algumas pessoas optam por mandar fazer álcool em creme manipulado. Porém, essa opção é quase impossível quimicamente. “O creme é uma mistura de água com óleo e os óleos não são bons veículos para suportar o álcool”, explica Paulo.
Assim sendo, por essa medida não ser farmacologicamente adequada, o ideal é não fazer uso do produto manipulado, principalmente na prevenção do coronavírus.
Na impossibilidade de lavar as mãos, o álcool em gel a 70% continua sendo uma alternativa, mas a dica é não exagerar no uso diário.
(Minha Vida)

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Estilo de Vida
.