Espinosade chegará aos estados nos próximos meses, contra dengue, chikungunya e Zika

O Ministério da Saúde está adquirindo um novo larvicida biológico, o Espinosade, para distribuir aos estados nos próximos meses. A nova tecnologia irá reforçar as ações de prevenção e controle das arboviroses no país. O biolarvicida representa uma alternativa eficiente no controle das larvas dos mosquitospois pode ser adicionado em qualquer lugar que acumule água e tenha potencial para ser um criadouro dos insetos.

Além disso, o espinosade apresenta vantagens significativas como segurança humana e baixo desenvolvimento de resistência, o que o torna bastante promissor no controle biológico de vetores, principalmente do Aedes aegypti e Aedes albopictus, vetores da dengue, chikungunya e Zika.

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros destacou a importância da nova tecnologia. “O Ministério da Saúde está investindo em mais uma ferramenta na luta contra o mosquito Aedes aegypti. Esse novo larvicida é uma inovação tecnológica na resposta do controle das arboviroses de uma forma sustentável e preservando a saúde humana e animal”, destacou.

Segurança na saúde e no meio ambiente

A nova tecnologia além de trazer mais segurança aos profissionais que trabalham diretamente com os produtos, garante um menor impacto ambiental, por se tratar de um produto biológico de baixo impacto a saúde humana.

De acordo com o coordenador de Vigilância das Arboviroses do Ministério da Saúde, Cássio Peterka, o grande benefício, em comparação com os inseticidas tradicionais, é que esse é um produto orgânico e causa a morte apenas das larvas do mosquito, sem afetar pessoas e nem animais domésticos, inclusive peixes, aves e outros insetos benéficos. Também não afeta o ambiente, porque não é cumulativo ou poluente.

“Até hoje a principal estratégia adotada para o combate do mosquito era o uso maciço de produtos químicos para o controle de mosquitos adultos e larvas. Entretanto, o uso intensivo de agentes químicos aumenta o custo de controle, afeta a saúde humana e animal, e pode causar impactos ao meio ambiente. Com essa nova tecnologia, podemos atuar no controle vetorial com muito mais segurança e menos impacto ao meio ambiente”, destacou o coordenador.

Outra vantagem do larvicida biológico, em comparação com os produtos tradicionais, é que um dos problemas do uso de inseticidas químicos para o controle do Aedes aegypti é a seleção de populações do vetor resistentes aos insumos utilizados, resultando na redução da eficiência do inseticida devido à morte de todos os indivíduos suscetíveis, restando apenas os imunes ao produto.

A distribuição do Espinosade aos estados será feita depois da capacitação que o Ministério da Saúde irá fazer com os profissionais de estados e municípios prevista para o mês de maio. Além disso, o Coordenação Geral de Vigilância das Arboviroses (CGARB) dará início a distribuição após constatar que os estados não terão mais estoque do antigo larvicida pyriproxifen. Cabe destacar a obrigatoriedade de utilização de todos quantitativo do larvicida anteriormente preconizado, Pyriproxyfen 0,5%, para que não haja futuramente quantitativos obsoletos nos Estados.

Solução biológica

O Espinosade é um biolarvicida de ingrediente ativo (Espinosina A + Espinosina D), que são metabólitos mais ativos produzido pela fermentação biológica da bactéria Saccharopolyspora spinosa, um organismo de ocorrência natural no solo. O produto é indicado especificamente para controle das larvas desses mosquitos, possui rápida degradação no ambiente e não é persistente, tendo sua meia vida reduzida a menos de um dia em ambientes naturais.

O biolarvircida não apresenta riscos à saúde humana, não é mutagênico e nem carcinogênico, ou seja, não apresenta risco de desenvolvimento de cânceres ou mesmo doenças neurológicas, com danos ao cérebro ou ao sistema nervoso causado pela exposição às substâncias tóxicas naturais ou sintéticas.

Capacitação

Devido à alta no cenário epidemiológico em diversos Estados com o agravamento da Pandemia do Coronavírus, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Geral de Vigilância das Arboviroses do Departamento de Imunização e Doença Transmissíveis – CGARB/DEIDT/SVS, realizará de hoje até quinta-feira (6)  de forma virtual a primeira “Capacitação de profissionais para o uso do Biolarvicida – ESPINOSADE utilizado no controle do Aedes aegypti”.

A capacitação tem como público-alvo os técnicos das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde envolvidos tanto na gestão quanto na realização direta de ações de controle de doenças transmitidas por Aedes aegypti. E o objetivo é capacitar estes profissionais na tecnologia de aplicação, manipulação e segurança no trabalho para o uso do larvicida biológico Natular (Espinosade) no controle larvário que será usado nas ações de rotina dos programas de controle das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. (Com informações da Agência Saúde)

Diário Do Poder

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Brasil
.