A maneira mais eficaz contra a COVID-19 é ficar em casa, mas este isolamento domiciliar pode não ser seguro para todas as mulheres. Se for uma vítima de violência doméstica saiba, mesmo em isolamento: Você não está sozinha!

Violência Doméstica acontece quando o agressor mora com a vítima ou é parente e tem, ou teve, alguma relação de afeto. A agressão pode ser física, através de tentativa de feminicídio e agressão; Psicológica, com ameaças, perseguições e divulgação de vídeos e fotos íntimas; Patrimonial, causando danos ou furtos; Moral, com injúrias, calúnia e difamação; e Sexual, através do estupro e impedindo o uso de contraceptivos.

Segundo a Coordenadora do CREAS, Aline Bueno, as vítimas de violência doméstica são encaminhadas ao CREAS para atendimento com equipe multidisciplinar, com psicóloga, assistente social e advogado. “No CREAS temos o objetivo de fortalecê-las, para que consigam denunciar e sair da situação de risco onde estão inseridas. Nós acolhemos, orientamos, e se necessário, encaminhamos para os programas da Assistência Social”, finaliza.

Em razão do aumento significativo dos índices de violência doméstica e familiar contra mulheres, e a maior dificuldade para registrar Boletim de Ocorrência presencial em razão do isolamento, o Boletim de Ocorrência Eletrônico constitui meio prioritário para comunicar violência e solicitar medidas protetivas de urgência, sem prejuízo do

acionamento da Polícia Militar para os casos de urgência.
Para realizar o boletim de ocorrência de forma eletrônica basta utilizar qualquer aparelho om acesso a internet e acessar o site www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br

Mostrar mais artigos relacionados
Mostrar mais por Gazeta Ribeirinha
Mostrar mais em Brasil
.